Presidente do Conseg quer reunião com o prefeito para atender reclamações de moradores do Jacarandás

O presidente do Conseg de Arujá Benedito Souza Ferreira, o Dito Maguila, disse em reunião ordinária da entidade realizada na noite da última terça-feira, 11, na Câmara Municipal de Arujá que vai tentar marcar uma reunião com o prefeito Luís de Camargo para buscar uma solução para os moradores do bairro Jacarandás no que se refere principalmente à perturbação do sossego. Irá pedir também a participação do secretário de Segurança local Washington Luís Beolchi Adami. Uma comissão formada por cerca de 10 moradores marcou presença na reunião do Conseg clamando para que alguma autoridade faça alguma coisa por eles. “Não estamos pedindo muito, queremos apenas que as viaturas da GCM e Polícia Civil façam mais rondas no bairro. Ninguém aguenta mais conviver com o barulho ensurdecedor das motos, festas nas chácaras que rolam até altas horas da madrugada entre outras perturbações. Depois das 18h00 ninguém consegue dormir”, desabafou um morador.
Esse mesmo morador também elogiou o trabalho do vereador Luiz Fernando Alves de Almeida (PSDB), que presente àquela reunião se disse bastante lisonjeado. “Se o senhor for candidato a prefeito em voto em você”, garantiu o morador. “O trabalho não é apenas meu, é do Legislativo arujaense como um todo. Os vereadores dessa Casa se empenham ao máximo para fazer sempre o melhor para a população”, disse o parlamentar que usou parte do seu tempo para falar do Orçamento Municipal para 2023 e as benfeitorias solicitadas pelos vereadores. “É claro que para que as coisas aconteçam é necessário a entrada dos recursos previstos”. Entre várias solicitações Luiz Fernando citou, por exemplo, a instalação de cerca de 3 mil lâmpadas de LED na Zona Rural do município.
Representando a Polícia Civil o investigador Leonardo Vallu disse que vai levar ao conhecimento do delegado titular de Arujá as solicitações dos moradores do Jacarandás, mas voltou a ressaltar que a população precisa fazer os Boletins de Ocorrência, pois são com os números desses registros que a polícia toma as ações necessárias. “Onde tiver maior demanda nós iremos agir com mais rigor”, enfatizou Leonardo. Já o comandante da Guarda Civil Municipal de Arujá, Diego S. de Oliveira, informou não ter conhecimento de vários chamados para o Jacarandás, conforme disse um morador. “Eu leio os Boletins de Ocorrência todos os dias, vejo as mensagens no Aplicativo 153-Cidadão e confesso que não me deparei com tantas reclamações no Jacarandás conforme dito nessa reunião”.
O morador mostrou a solicitação através do seu celular e até elogiou a atuação da GCM durante os períodos matutino e vespertino, mas reclamou que no período noturno o atendimento deixa muito a desejar. “A gente liga, reclama mas nenhuma viatura chega até nós para fazer as averiguações. Infelizmente os ‘ratos” voltaram e estão infernizando as nossas vidas”.

Rota de fuga e Muralha Eletrônica
Vice-presidente do Conseg de Arujá o senhor Natal, que também é morador do Jacarandás, voltou a reclamar da falta de iluminação. “Muitas ruas estão às escuras, ainda existem vários postes de madeira e os quais precisam ser substituídos o quanto antes”. Outro morador do Jacarandás reclamou que nas proximidades da sua chácara existe uma rota de fuga para o bairro Louzada, de Itaquaquecetuba. Ele se prontificou a colocar câmeras de monitoramento com recursos próprios. “Nós precisamos nos unir ainda mais e fazer valer a nossa força como cidadão para cobrar melhorias para o nosso bairro”, pontuou. Aliás, no Jacarandás o grupo de moradores está montando uma central de monitoramento e cujas imagens poderão ser enviadas, caso necessário, para as forças de segurança pública de Arujá. E isso, vale lembrar, é por iniciativa própria.
Outro assunto pertinente à segurança no Jacarandás é sobre a possibilidade de se instalar a Muralha Eletrônica no bairro. O comandante da GCM de Arujá explicou que é preciso ter uma justificativa muito forte para que isso aconteça. Dito Maguila aproveitou a deixa e informou que caso consiga uma reunião com o prefeito Dr. Camargo irá colocar essa discussão em pauta também. O presidente do Conseg ainda se mostrou indignado com a cobrança da taxa de iluminação na cidade, que vive às escuras, e questionou Luiz Fernando a respeito. O vereador explicou que essa cobrança é uma contribuição do munícipe e que visa a manutenção da iluminação pública na cidade. “Precisamos verificar se o dinheiro de fato está sendo usado para essa finalidade, é nossa função fiscalizar e dar respostas para a sociedade”, disse o vereador.
Em nome da OAB falou o Dr. Elói Rodrigues de Ávila. Ele se colocou à disposição dos moradores para ajudar no que for possível e cobrou mais rondas da Polícia Militar e GCM na cidade, em especial no bairro do Jacarandás, além do aumento de efetivo da GCM. O comandante Diego respondeu que já existe um concurso em andamento e que no próximo ano novos guardas municipais deverão ser contratados. Representando a Polícia Militar o tenente Adilson reconheceu que faltam viaturas para que as rondas sejam mais efetivas e se propôs a levar as solicitações dos moradores para o seu superior. O PM Adilson ressaltou ainda que existe um cronograma de atendimento onde são priorizados os casos mais graves e por isso muitas vezes as viaturas demoram a chegar.

Compartilhar

Mais notícias

Pelo 33º ano consecutivo, professor Edval marca presença na São Silvestre

Há 33 anos, sem furar em nenhuma edição consecutiva, o professor e atleta de Arujá, Edval Barbosa Paz, participa da […]

Arujá Emprega e PAT disponibilizam novas vagas de emprego

Confira as vagas de emprego disponíveis por meio do Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) e Arujá Emprega. Os currículos […]

Alunos de escolas públicas de Arujá visitam Feira do Empreendedor 2023

Um grupo de 140 estudantes de escolas públicas do ensino médio de Arujá visitou a Feira do Empreendedor entre os […]

Conseg realiza última sessão ordinária e fecha trabalhos de 2023

O Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) realizou sua última sessão ordinária do ano de 2023, encerrando seus trabalhos. O encontro […]